terça-feira, 2 de agosto de 2016

Ainda sobre o Autismo Coletivo

Falamos recentemente sobre o autismo coletivo, nome que eu dei a capacidade da sociedade de perder a noção dos limites entre o real e o virtual, fazendo com que cada indivíduo construta sua "realidade" particular com base em suas convicções e na sua interpretação, não raramente equivocada, da realidade.

As religiões, a mídia e agora a internet tem contribuído muito para que as pessoas tenham uma visão distorcida, mas pessoal da realidade. E por isso que uma onda de ódio se instalou no país: cada um quer impor o seu mundinho particular como "real". Mas todos ignorando o mundo real de fato.

A grande mídia, ao invés de informar a todos o que acontece de fato, se aproveita dessa confusão e atiça ainda mais a discordância das pessoas sobre o que é real e o que não é. A semiologia mostra que há meios inclusive de agravar essa confusão, manipulando mentes como uma boa forma de imobilização social a garantir a permanência das injustiças e manter os privilégios das elites.

Manter a população longe da realidade é bom para os poderosos. A sociedade pode até não gostar de ser enganada, mas não raramente ela é enganada sem saber. A confusão entre realidade e virtualidade é tanta que favorece o surgimento de várias contradições. E não é raro ver heróis e vilões trocarem de posições no imaginário popular.

O que é necessário para que as pessoas possam voltar a realidade parece simples: desenvolver um bom discernimento e criar a capacidade de observar as coisas com bom senso. Mas isso é complicado para uma população muito mal-educada (nossa educação só serve para o mercado de trabalho) e que é considerada a terceira mais burra do mundo, com uma qualidade de vida que só é um pouco melhor que os miseráveis países da África.

Enquanto as pessoas não aprendem a discernir, continuamos a ver muitos ignorantes a impor suas "realidades" particulares como "verdadeiras". Até vermos aumentar os danos causados pela má compreensão da realidade, aquela de que todos fogem e se recusam a melhorar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.