terça-feira, 30 de agosto de 2016

Porque as pessoas quando mudam, é quase sempre para pior?

Estou profundamente magoado com a humanidade nos últimos tempos. Realmente a humanidade fracassou. E fracassou porque quis fracassar. Nos recusamos a evoluir em troca da satisfação de instintos mais mesquinhos. Aos poucos vamos negligenciando a nossa capacidade de raciocinar e sentir e voltamos ao primitivismo do reino animal. Cada dia isso fica mais evidente.

Fico me perguntando porque quando mudamos é quase sempre para pior? Porque na infância somos tão espontâneos, inteligentes e sensíveis e ao chegar já na adolescência nos livramos dessas qualidades sob a desculpa de entrarmos na concorrente lute pela sobrevivência? Será que para sobreviver é necessário ser maldoso e burro? Talvez seja, pois muitos "vencedores" nesta luta quase sempre injusta são comprovadamente maldosos e burros.

E não pense que estou apenas me referindo a pornografia, consumo de drogas e violência. Quase toda a sociedade está decadente de uma forma ou de outra. os religiosos, tão metidos a corretos nunca param de comprovar o que ateus omo eu vivem dizendo: que a moralidade das religiões é uma farsa criada apenas para servir de escudo quando as ilusões alegadas pela fé irracional forem questionadas. Interessante que todos que cometem algum tipo de atrocidade tem algum tipo de fé, mesmo que seja em ideologias político-econômicas de caráter nocivo como o fascismo e o Capitalismo, ou em personagens fictícios de jogos eletrônicos.

Toda a sociedade está falida. Até mesmo que propões melhorá-la se limita a medidas paliativas que não acabam com problemas, mas servem de compensação e consolação, ensinando a conviver com o problema do lado. É o que fazem quase todos quando se lembram de solidariedade, caridade, responsabilidade social e outros nomes lindos dados a atitudes que na prática resolvem quase nada. Muitas ONGs e pessoas fazendo caridade há muitos anos para tudo ficar como está. Se a caridade não melhorava coletividade é porque ela está sendo feita da maneira errada.

A onda de direitismo que cresce no país só veio para cerejar o bolo fecal da ignorância do povo brasileiro, que chega a ser pior do que a mundial. É o mundo todo está decaindo, mas o Brasil pretende acelerar a sua decadência. A impressão que tenho é que a burrice do brasileiro é uma vocação. A comemoração histérica do ouro no futebol em véspera da instalação de uma nova ditadura no país serve de um bom exemplo como ainda somos ignorantes e pueris. A brincadeira vem sempre em primeiro lugar. O dever, se der faz, se não der, se dane.

Outra coisa a observar é que estamos recuperando conceitos e costumes de tempos remotos. A nossa educação continua voltada exclusivamente ao mercado de trabalho. Pais e educadores jogam um para o outro a responsabilidade de formar a personalidade de uma criança, acabando no final com nenhum dos dois realizando a tarefa, que é infelizmente "cumprida" pela mídia mentirosa e tendenciosa e por amigos mal-intencionados.

 A cultura em geral retoma as características vigentes em 1945, guardadas as diferenças de atualização. Nos rádios toca-se uma espécie de teeny bop pseudo-erótico, tipo de música hegemônica entre os jovens de hoje em dia. Não se fazem mais letras inteligentes, salvo uma e outra exceção. Quase todos fazem música, cinema e outras manifestações artísticas por motivos financeiros, não hesitando em corromper suas obras em prol do lucro garantido.

Muitos fatores servem como comprovação de que estamos decaindo como seres humanos. Para completar essa decadência, estamos entrando em uma nova ditadura no Brasil. Nos EUA, mesmo não sendo o favorito, o empresário retrógrado Donald Trump consegue atrair muitas pessoas para o seu eleitorado. Governantes pelo mundo afora, salvo em nações mais evoluídas como as da região da Escandinávia, já demonstram incapazes de resolver problemas cotidianos.

Estamos falindo. Mas ha uma solução. Drástica para a grande maioria de pessoas: mudar de jeito. Ser mais racional e mais sensível, é esse o desafio. Nos livrar de crenças e parar de estabelecer conceitos com base na confiança depositada no emissor. Pessoas sempre mentem, evidência, não.

Mas como as pessoas, insistentemente teimosas por não querer sair de suas zonas de conforto, continuam agindo como sempre agiram, não esperemos melhorias para os próximos, digamos, 50 anos. A humanidade está falida mas só ela tem a poder de decisão para sair desta falência.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Escola sem Partido: a extinção de Educação

Se não bastasse os muitos direitos que serão cortados pelo governo Temer para agradar às elites que controlam o país, ainda poderemos ter a nociva degradação da educação conhecida com o hipócrita nome de Escola sem Partido. Para quem não sebe, um método de ensino com características medievais que pretende eliminar a intelectualidade do sistema de ensino, trocando por doutrinação política retrógrada somada a proselitismo religioso de orientação cristã.

De fato, a Escola sem Partido (que na verdade tem partido sim: seus criadores e difusores são membros de partidos de direita ligados a seitas evangélicas) representa a extinção da educação. A partir de sua implantação, professores não poderão mais ensinar, se limitando a transferir informações cruas que não devem ser debatidas. E essas informações não podem ir contra as convicções pessoais de setores mais conservadores, incluindo os criadores das mesmas.

Apesar de medieval, a Escola sem Partido irá lançar mão da tecnologia para vigiar professores para que eles não desobedeçam as "orientações" deste sistema. Professores que tentarem estimular o intelecto dos alunos serão "convidados" a "conversar" com diretores e poderão ser demitidos ou nos piores casos, presos ou torturados. Para os conservadores vale tudo ara manter seus interesses intactos.

A intenção é estimular um clima de submissa entre os alunos, um respeito as hierarquias e ao modo de pensar conservador. Criar uma sociedade preconceituosa e que impeça que "minorias" sejam impedidas de ter direitos por não se enquadrarem aos preconceitos cristãos-capitalistas. Um sistema social que legitima as injustiças e as desigualdades sócio-econômicas.

Além de estimular a criação de uma sociedade preconceituosa e de mentalidade arcaica, a Escola sem Partido elimina a essência da verdadeira educação. A educação deve estimular o desenvolvimento intelectual e a análise dos fatos. A Escola sem Partido faz exatamente o oposto, fazendo com que a sociedade brasileira, que já é tradicionalmente avessa a racionalidade, seja ainda mais ignorante do que já é. Ao invés de eliminarmos a ignorância tradicional, a aumentaremos, talvez a ponto da quase irracionalidade.

Isso é extremamente grave, pois estamos em um século que futurólogos do passado afirmaram ser uma era de evolução. A Escola sem Partido é um desserviço à sociedade e poderá gerar graves danos que serã muito difíceis de ser consertados. Façamos tudo para que a Escola sem Partido nunca seja posta em prática. Com a Escola sem Partido, será o fim da humanidade como conhecemos.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

O ódio conservador nasce do egoísmo

Vivemos em tempos tristes. Se não bastasse termos agora um governo corrupto que se prepara para arrasar com o cotidiano de muitos brasileiros, temos a onda de ódio gerada por grupos ideologicamente conservadores que agridem qualquer um que não compartilhe de suas convicções pessoais.

É um bom sinal de retrocesso. Além do governo nos devolver a tempos passados bem remotos, quando não tínhamos direito a dignidade no trabalho e no cotidiano, ainda temos jovens (sim, jovens!) desejosos por ais retrocesso, incluindo o de reservar o bem estar apenas para aqueles que se simpatizam com suas causas, chegando a desejar a morte de oponentes.

Estamos no século XXI, em que futuristas do passado definiam como uma época de avanços e somos testemunhas do mais irresponsável dos retrocessos. A onda de ódio que nos faz todos suspeitos e desconfiados ao mesmo tempo. Em que pessoas se afastam pelo menor dos motivos, por algo que poderia ser resolvido por uma simples conversa. Se estivéssemos dispostos a ouvir e a mudar de ideia, caso necessário. Mas nunca estamos.

Seria surpreendente esta onda de ódio se esquecermos que o egoísmo está em moda. Em tempos de crise, as pessoas tendem a agarrar com firmeza seus bens e direitos, incluindo privilégios e supérfluos. Estamos com medo de perder até mesmo aquilo que não precisamos. Por isso rosnamos feito bestas-fera contra aqueles que soam ameaçadores a nós.

Acreditei que neste início de século seríamos mais unidos. Aprenderíamos a conviver uns com os outros. Chegaríamos a um consenso, sabendo diferir opiniões de fatos, após conversas inteligentes e respeitosas. Nada disso está sendo posto em prática. Lentamente vamos regredindo e retomando os nossos mais bestiais instintos. Tudo para defender coisas que ficarão por aí, após morrermos.

Sinto que teremos que aprender tudo de novo. Demos um imenso passo para trás. Será que as experiências dolorosas do passado terão que voltar para tentar nos educar melhor e colocar-nos de volta ao caminho da evolução?

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Os conservadores terão que sofrer para conhecer os problemas do povo e a crueldade dos capitalistas



Com a onda de ódio e egoísmo veio a volta do direitismo. Ideias conservadoras voltaram a tona porque as elites e outros tipos de pessoas privilegiadas se desesperaram ao perceberem que com o avanço da sociedade, teriam que abrir mão de suas convicções e repartir o excessivo supérfluo que possuem. Para não largar o osso, resolveram reagir.

Mas esses novos egoístas, que se não praticam o egoísmo de individuo, praticam o egoísmo de grupo, ou seja, só conseguem ser altruístas com seus assemelhados, mal sabem que os tempos são outros e exigem uma nova atitude, cada vez mais altruística.

Os conservadores falam muito que se "tem que salvar o país". Mas o que é o país para eles? Certamente um ser abstrato simbolizado pela bandeira, pelo hino e pela "seleção" brasileira de futebol. Para os conservadores, o povo na faz parte dessa nação. Até porque os conservadores lançam mão de desejar a morte de várias pessoas, caso fosse necessário. O importante é salvar a entidade abstrata chamada "Brasil". O povo brasileiro que se dane.

Os conservadores agem assim porque acreditam estar numa posição protegida, inviolável. Para eles, aconteça o que acontecer, os problemas nunca os atingirão. Temer e sua equipe de sádicos pode tomar a pior decisão de todas que os conservadores se acreditam imunes a qualquer dano. Será?

Isolamento das elites favorece a defesa de governos incompetentes ou sadicos

Os conservadores se esquecem que: primeiro, Temer é um político e não um justiceiro. Segundo: Temer governa para todos, progressistas e conservadores. As decisões dele também vão interferir no cotidiano dos conservadores. E se depender de que decisão seja, os conservadores também vão se dar mal com elas, sofrendo danos que podem ser até mais desagradáveis que os dos outros, que já esperam que um governo como esse traria problemas para o país.

Muitos dos conservadores, sobretudo os mais abastados, vivem isolados em seu mundinho da fantasia. Ignoram a realidade que só conhecem por meio dos aparelhos de televisão. Vivem apenas em lugares fechados e/ou isolados, se limitam ao trajeto casa-carro-trabalho e vice versa, evitando todo e qualquer contato com o exterior. Seu mundo encantado protegido por paredes e muros e muito bem refrigerado é muito distante do mundo real que existe, mas é eliminado de suas vistas.

É muito fácil para uma pessoa que vice trancada em seu mundinho particular não se importar com um governo como o que se instala no Brasil. O que Temer poderá decidir vai influenciar na realidade que não faz parte das vidas de nossas elites. 

A instalação do caos

Mesmo que os problemas ameacem atingi-las, essas elites possuem meios de fugir desses problemas nem que tenham que sair do próprio  país. O mesmo país que fingiram defender quando estiveram nas patéticas passeatas anti-PT, vestidos com a camiseta da corrupta CBF e apoiando partidos tradicionalmente corruptos.

Mas é preciso que esta elite e seus apoiadores e concordantes sofram para conhecer a realidade que os cercam. É preciso saber que muita gente vai ter as suas vidas completamente arruinadas por causa das decisões a serem tomadas. As desigualdades aumentarão, as injustiças serão mais frequentes e a crise, que supostamente seria combatida, irá aumentar. Como maior carga horária de trabalho por um salário menor, deixaremos de ter trabalhadores para produzir e compradores para movimentar a economia. Temer não sabe, mas está dando o pontapé inicial para a instalação do caos em nosso país.

Talvez quando esse caos chegar e ficar mais evidente, os conservadores percebam a burrada que cometeram, já que esse caos irá os atingir. Assim as elites que vivem trancafiadas em seu mundo maravilhoso de ilusão capitalista conheçam a realidade, algo de que viviam fugindo o tempo todo, mas que sempre arruma um jeito de afirmar que ela existe.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Ainda sobre o Autismo Coletivo

Falamos recentemente sobre o autismo coletivo, nome que eu dei a capacidade da sociedade de perder a noção dos limites entre o real e o virtual, fazendo com que cada indivíduo construta sua "realidade" particular com base em suas convicções e na sua interpretação, não raramente equivocada, da realidade.

As religiões, a mídia e agora a internet tem contribuído muito para que as pessoas tenham uma visão distorcida, mas pessoal da realidade. E por isso que uma onda de ódio se instalou no país: cada um quer impor o seu mundinho particular como "real". Mas todos ignorando o mundo real de fato.

A grande mídia, ao invés de informar a todos o que acontece de fato, se aproveita dessa confusão e atiça ainda mais a discordância das pessoas sobre o que é real e o que não é. A semiologia mostra que há meios inclusive de agravar essa confusão, manipulando mentes como uma boa forma de imobilização social a garantir a permanência das injustiças e manter os privilégios das elites.

Manter a população longe da realidade é bom para os poderosos. A sociedade pode até não gostar de ser enganada, mas não raramente ela é enganada sem saber. A confusão entre realidade e virtualidade é tanta que favorece o surgimento de várias contradições. E não é raro ver heróis e vilões trocarem de posições no imaginário popular.

O que é necessário para que as pessoas possam voltar a realidade parece simples: desenvolver um bom discernimento e criar a capacidade de observar as coisas com bom senso. Mas isso é complicado para uma população muito mal-educada (nossa educação só serve para o mercado de trabalho) e que é considerada a terceira mais burra do mundo, com uma qualidade de vida que só é um pouco melhor que os miseráveis países da África.

Enquanto as pessoas não aprendem a discernir, continuamos a ver muitos ignorantes a impor suas "realidades" particulares como "verdadeiras". Até vermos aumentar os danos causados pela má compreensão da realidade, aquela de que todos fogem e se recusam a melhorar.