terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Bondade nada tem a ver com crença religiosa

É estigmatizado o conceito de que as pessoas religiosas são mais bondosas que as não religiosas. calcadas em estórias fictícias, como autênticas mitologias, as religiões não deveriam ter qualquer tipo de relação com bondade. O negócio delas é entreter com contos de fadas e só. 

A bondade exige algo que tenha mais a ver com realidade. A crença em seres imaginários e estórias mirabolantes na garante que uma pessoa seja melhor que as outras. Do contrário que os religiosos insistem em afirmar, as religiões tem travado a evolução da humanidade.

 A falta de lógica e o desprezo pela racionalidade impostos pelas religiões tem feito com que muitos fiéis atrofiassem ou distorcessem sua compreensão da realidade, o que tem resultado em muita inércia intelectual e muitos danos sociais, derivados dos preconceitos resultantes desse tipo de inércia.

As religiões nunca foram boas para sociedade nenhuma. Crer em algo só porque alguém confiável lhes disse, nunca deve substituir a razão. Com a mais absoluta certeza, os cérebros não habitam nossas cabeças com a única finalidade de dar peso às mesmas. São computadores internos que existem para processar ideias, e não aceitá-las sem questionar.

E a bondade, desculpa esfarrapada para justificar a existência das religiões, dispensa qualquer tipo de crença. Na verdade, para ser bom, precisamos apenas acreditar nos seres humanos. Ter a noção exata de que os outros precisam viver com bem estar e qualidade de vida. As religiões têm se atrapalhado em sua maioria (raro honrosas exceções, como por exemplo, na Teologia da Libertação) das tentativas de ajudar o próximo. Muitas delas tem superfaturado seus orçamentos, acabando por enriquecer lideranças que estranhamente passam a ostentar um padrão de vida incompatível com as profissões que alegam ter.

Mas não precisamos das religiões para fazer o bem. basta você observar os problemas e tentar resolvê-los usando a lógica e o bom senso e fazendo um planejamento adequado de resolução prática. fazendo isso, não dependeremos mais de um velhinho de barba metido a superpoderoso a ser solicitado a todo momento para fazer coisas mirabolantes que só são possíveis na ficção. Os religiosos andam lendo contos de fadas demais.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Mídia transforma lenda religiosa em fato noticiável

A mídia é parceira do poder. As religiões também são parceiras do poder. E as duas juntas fortalecem ainda mais o poder. Entreter e colocar a fé no lugar da razão é uma boa forma de imobilizar as pessoas para que elas continuem conformadas e submissas, para que os donos do poder continuem roubando para si aquilo que deveria estar na s mãos de todos.

Por isso, a mídia sempre lança mão de proselitismo religioso. Pouco importa se lendas religiosas fazem sentido ou não. O que importa é que elas devem ser levadas a sério e confundidas com a realidade, que deve se submeter aos dogmas da fé cega.

Não é a primeira vez que isso acontece e talvez nem seja a ultima. Foi noticiado que a freira Madre Teresa de Calcutá será canonizada por casa de um milagre acontecido no Brasil. O tal milagre ocorreu por causa de um suposto fato sem pé nem cabeça relatado por um casal de beatos. Não vou me ater ao caso em si para na desviar o foco. Quero falar sobre o porque da mídia levar a sério uma coisa que deveria ser restrita à crença de uma igreja.

Porque tratar uma lenda sem sentido, que exige a não-explicação científica para se legitimar? Legitimar por algo sem explicação? Como algo pode ser mais autêntico se ele não tiver explicação? Tá, da próxima vez que eu faltar ao trabalho, nem vou me dar o luxo de justificar a minha falta, pois meu patrão e religioso e coisas sem explicação parecem mais autênticas para quem crê.

Mas o pior não é isso. Se esse episodio que estimulou a decisão de canonizar a freira, que jogava os pobres e doentes em um depósito insalubre para poder viajar de avião com ricaços, ficasse apenas no conhecimento dos católicos que creditam nisso, ainda é aceitável. Mas a divulgação midiática da mesma tem a explícita intenção de proselitismo religioso. Ou seja, para a mídia, o milagre é real, realmente aconteceu e você terá que aceitar isso.

Não é por acaso que a religiosidade vem retomando a sua força, principalmente entre os mais jovens. E tempos de mediocrização intelectual, é coerente o desprezo pela razão e a substituição desta pela fé. Inteligência só serve para o mercado de trabalho e para servir de rótulo para promoção social. Mas raciocinar mesmo é um a tarefa desagradável , que exige esforço e abnegação (negação de valores e costumes considerados positivos e agradáveis). Legal mesmo é ser burro, mas com rótulo de "inteligente".

E mais burra ainda e a mídia que leva a sério esse tipo de coisa, que deveria ficar apenas nas mentes de quem acredita (e todos têm o direito, garantido por lei, de acreditar em qualquer coisa, inclusive no Boitatá ou no Monstro do Espaguete).

Aí vão dizendo que o mundo nunca melhora e não sabem o porquê.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Belas fotografias ganham prêmio

Aqui estão algumas das mais belas fotos concurso Underwater Photography Contest, promovido pela Universidade de Miami para fotógrafos amadores. A vencedora mostra dois engraçados peixes da espécie Bryaninops natans se acasalando, de Tobias Friedirich.

Veja as outras belas fotos abaixo. Na ordem os créditos:

Tobias Friedrich
David Barrio Colongues
Luc Rooman
Laura Rock
Michael Gallagher (nada a ver com Oasis, nem com o "Sandy de OC, viu?)
Jordi Benitez
Laura Rock (essa foi agraciada com duas fotos escolhidas?)













terça-feira, 8 de dezembro de 2015

De novo? NÃO!

A onda de ódio destilada nas redes sociais, que inclui demonstrações de ódio a qualquer um que não se encaixe no estereótipo da família branca-cristã-capitalista, não dá sinais de que irá cessar. E faz mais uma vítima famosa de ataques racistas nas redes sociais: a atriz Sheron Menezes.

A talentosa atriz - que também sabe dançar muito bem, como se viu no Dança dos Famosos - Sheron Menezes, nascida no Rio Grande do Sul, é dona de uma impressionante beleza facial. Seguramente eu a coloco na lista da 10 (sim: DEZ!) mulheres mais lindas do Brasil. E olha que temos milhões de mulheres lindas em nosso país. Dói saber que uma mulher tão maravilhosa seja vitima de ataque tão cruel, mesmo virtualmente. Dói mais ainda saber que possivelmente não será o último caso desta vergonhosa situação.

A atriz escreveu um comentário sensato, prometendo ir à justiças tomar as atitudes cabíveis para que os responsáveis respondam pelos seus erros. Sabe-se que a impunidade favorece atitudes ofensivas como as que vem se repetindo com ela, com outras celebridades e também com gente como (eu mesmo, mestiço, fui vítima de racismo várias vezes). Vejam a sensatez da belíssima Sheron:

"Desprezíveis racistas. Não adianta entrar na minha página e escrever absurdos, xingamentos e agressões pois vão ter que engolir a mim e a tantas outras pessoas negras em nosso país! Já esperava por isso depois do que fizeram com minhas amigas e colegas, então quero lhes dizer que saiam da frente com sua inveja, pois estamos passando com o nosso cabelo maravilhoso, com a nossa linda cor, nossa beleza, nossa educação e nossa inteligência.Não adianta colocar uma máscara de macaco no meu rosto ou tentar me ofender porque isto não me atinge! Fui treinada desde criança e sei o meu valor! Mas atinge milhões de pessoas no Brasil que sofrem essa discriminação todos os dias! E é por elas que resolvi me manifestar. Tomarei as providências cabíveis. Acho melhor tirarem as suas máscaras e se revelarem publicamente, pois se não o fizerem a Polícia Federal o fará".

Palmas DE PÉ, Sheron! Falou tudo! É isso mesmo! Concordo com cada virgula! Vocês negras são todas lindas - e você ainda mais, deusa Sheron! Vocês negros, tem muito valor e levantem a auto-estima! Vocês enriqueceram a nossa cultura e não param de enriquecer. Sejam fortes! Os racistas são imbecis que não sabem o que significa a expressão seres humanos

Lutem todos para acabar com esta vergonha! Somos todos um só! Me uno a vocês nesta luta contra o racismo! Esse e todos os tipos de preconceitos deveriam ter acabado há séculos! Esses racistas ignorantes que vivem perdendo seu tempo precioso ofendendo os outros precisam se tratar urgentemente. 

Ainda sonho com o dia em que atitudes nefastas e revoltantes sejam coisa de um passado remoto. Afinal, pelo que eu sei, não voltamos aos tempos das barbáries.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Cientistas, nossos verdadeiros heróis: esses merecem nossa torcida

Nada justifica a colocação do futebol no lugar de coisas realmente importantes do nosso país e de nossas vidas. Esse fanatismo que dá exagerada importância a um simples esporte deve se resumir em uma só palavra: alienação. Porque não procurarmos heróis de verdade para cultuar, ao invés de simples bobos-da-corte que correm atrás de uma bola?

Quem realmente merecia nossos aplausos, nossa torcida são os cientistas, essa gente que sofre muito para tentar encontrar melhorias de todo o tipo para nossas vidas. Como aviso aos que justificam o fanatismo do futebol porque "nós temos os melhores jogadores", rebato dizendo que também temos cientistas de altíssimo nível, preparados para as mais importantes missões.

O cientista brasileiro é um lutador. Não tem apoio de ninguém, nem sequer do governo. gastam muito dinheiro com pesquisa, mas para isso pouco recebem. E as suas pesquisas envolvem coisas realmente úteis para as nossas vidas. Coisas que interferem diretamente em nosso cotidiano. Mas quem liga para coisa séria?

Deveríamos apoiar muito os nossos cientistas. Mas como ninguém apoia, muitos deles acabam saindo do país, a procura de reconhecimento profissional sério, que não há por aqui. Se acontece o mesmo com os jogadores (trabalho no exterior), o motivo nem sempre é o mesmo, já que jogadores são adorados lá e cá, mas cientistas não. Cientistas só são valorizados em países sérios. E o Brasil, hum, hum... Como dizia aquele antigo presidente francês...

Gente, vamos valorizar nossos cientistas. Sua saúde, sua casa, suas leis e tudo relacionado com seu cotidiano vai mudar com o sucesso de um cientista. E para melhor.

Agora me digam: que tipo de benefício concreto o Brasil irá ganhar com a vitória no futebol? Quem não responder "nenhum", com certeza não vive no Brasil. Vive no mundo da lua.

A todos os cientistas, meus sinceros e empolgados aplausos.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

A sensível mensagem de Joey King para os franceses

A atriz Joey King é uma de nossas musas favoritas. Linda e talentosa, ela é conhecida pelo seu bom humor na vida real, observado em muitas postagens nas redes sociais em que participa.

Mas Joey King também sabe falar sério nas horas apropriadas e após o infeliz desastre que vitimou inocentes em Paris no último dia 13, a atriz publicou uma sensível mensagem que surpreende pela maturidade, já que a atriz sequer tem 18 anos ainda (ela ainda tem 16).

É uma mensagem sensata que serve de ponto de partida para várias reflexões. E fica aqui o nosso agradecimento à Joey King, linda por fora e também por dentro, que teve a iniciativa de nos fazer pensar mais sobre mais um episódio triste que envergonha a humanidade e mostra que ainda não estamos avançando. Mas Joey King faz a sua parte para evoluir e nos tranquiliza saber que há jovens como ela a querer melhorar a sociedade.

Reproduzimos a declaração da atriz, em tradução feita para o nosso blog. Antes uma imagem que ela postou para ilustrar a sua postagem, mostrando um pequeno texto da poetisa inglesa de origem africana, Warsan Shire. Leiam e reflitam:

"Eu só tenho que ter um segundo para dizer que mesmo pensando sobre esta tragédia faz-me sentir fisicamente doente. Isso me faz perceber o quão pequeno eu sou e como certas pequenas coisas realmente não importam. Meu coração é tão pesado e eu estou tão impressionada e com tristeza pelo fato de que isso aconteceu e eu estou com medo. Eu estou aterrorizada. O mundo é um lugar tão bonito, mas é apenas horrível saber que existem tantas almas odiosas. Eu te amo Paris. Não há um minuto que passa que eu não esteja pensando em você e eu quase desejo que eu seria um ser humano ignorante porque todos nós temos ouvido dizer que a ignorância dizendo é bem-aventurança. Isso é qualquer coisa, menos bem-aventurança. Respeito a todas as pessoas inocentes que foram mortas durante este desastre e respeito às suas famílias. Estou com tanto medo por toda a humanidade. Com o coração pesado que eu digo que eu te amo, Paris. Estou tão devastada. Por favor, esteja segura. #PrayForTheWorld" (Joey King)

Valeu, Joey. Você é uma garota admirável, em todos os sentidos. Faço das suas palavras as minhas.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Pausa para Estudos

Infelizmente, terei que dar uma boa pausa nas postagens inéditas deste e dos blogues associados. É que entrarei em um novo concurso e não terei tempo para postar nada aqui. 

Desculpem o transtorno e agradecemos a paciência. Continuem relendo as postagens antigas e prestigiando este blogue. Esperamos voltar em novembro próximo com novas e inéditas postagens. Até lá!


terça-feira, 15 de setembro de 2015

Cientistas descobrem mutação genética que previne Alzheimer

ESPREMENDO A LARANJA: Um importante passo para a prevenção e para a cura desta doença terrível que leva muitos idosos a demência que os inutiliza por completo, impedindo de curtir esse restinho da vida que deveria ser de descanso saudável e lúcido.

Cientistas descobrem mutação genética que previne Alzheimer

11 de julho de 2012 • 16h15 - BBC Brasil
  
Cientistas islandeses descobriram uma mutação genética que protege contra o Mal de Alzheimer e o comprometimento cognitivo causado pelo envelhecimento, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira pela revista científica britânica "Nature".

Uma equipe do centro "deCODE Genetics" de Reykjavik (Islândia), liderado por Kari Stefansson, estudou o genoma completo de 1.795 islandeses e descobriu uma mutação no gene APP, que reduziria em até 40% a formação da proteína amiloide em idosos saudáveis.
Esta proteína é uma substância insolúvel que se acumula no cérebro dos pacientes formando placas e que é responsável pela aparição do Alzheimer, uma doença sofrida por um quarto dos maiores de 90 anos.

"Pelo que sabemos até agora, (esta mutação) representa o primeiro exemplo de uma alteração genética que confere uma proteção forte contra o Mal de Alzheimer", afirma Stefansson em seu artigo. 

Esta mesma mutação frearia a deterioração cognitiva dos idosos sem Alzheimer, por isso os pesquisadores acreditam que os dois transtornos compartilham os mesmos ou similares mecanismos.

O estudo mostrou que a função cognitiva dos idosos de 80 a 100 anos portadores dessa mutação funcionava muito melhor que a daqueles que não a tinham.
Stefansson considera que o Alzheimer poderia representar o caso mais extremo de deterioração da função cognitiva relacionado à idade.

Até o momento, os cientistas descobriram 30 mutações no gene APP, 25 das quais se consideram causadoras da doença em idades avançadas, mas esta é a primeira vez que se detecta uma mutação relacionada com a aparição do Alzheimer em idosos.
Mais de 5% dos maiores de 60 anos sofrem de algum tipo de demência e, em dois terços dos casos, se trata de Alzheimer.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Paciente em estado vegetativo se comunica em ressonância

ESPREMENDO A LARANJA: Esta descoberta vai revolucionar a maneira de entender o comportamento do cérebro, este órgão tão útil para nós e ainda cheio de mistérios a seres descobertos. Também pode revolucionar a maneira de nos comunicarmos e até de entender a espiritualidade, já que para que houvesse a comunicação com um corpo nestas condições, o espírito prova estar atuante.

Doente que estava em estado vegetativo mostra “estar bem” com exame neurológico

13.11.2012 - 13:47 - Do jornal português Público

Os exames de ressonância magnética podem ajudar a avaliar o estado de consciência de pessoas que sofreram danos cerebrais durante acidentes Os exames de ressonância magnética podem ajudar a avaliar o estado de consciência de pessoas que sofreram danos cerebrais durante acidentes (New England Journal of Medicine)

Durante anos os médicos pensavam que Scott Routley estava num estado vegetativo. Agora, este doente canadiano conseguiu comunicar através de exames de ressonância magnética e mostrou estar bem.

Apesar de Routley continuar a ter as características que estão associadas aos doentes em estado vegetativo, esta descoberta mostra que está consciente, refere o investigador britânico Adrian Owen, que liderou a equipa no Instituto Cérebro e Mente, na Universidade do Ontário Ocidental, no Canadá.

“Scott foi capaz de mostrar que tem uma mente consciente, que pensa. Fizemos vários exames e o padrão de actividade do cérebro mostra claramente que está a escolher responder às questões. Acreditamos que ele sabe quem é e onde está”, disse o cientista à BBC, que nesta terça-feira vai passar um programa sobre situações semelhantes que andou a acompanhar.

Há 12 anos, o doente canadiano teve um acidente de carro que provocou danos profundos no cérebro. Apesar de os familiares defenderem que ele tinha consciência e podia comunicar mexendo o polegar ou fazendo movimentos com os olhos, a equipa médica nunca acreditou.

Os doentes em coma podem passar para um estado vegetativo em que abrem os olhos, têm os ciclos normais de sono e de vigília, mas não têm consciência do seu redor e não dão sinais nenhuns de comunicação.

Para Adrien Owen este é um momento único. “Perguntar a um doente uma informação que seja importante para ele é um objectivo que temos há muitos anos. No futuro, podemos perguntar o que é que pode ser feito para melhorar o seu bem-estar. Pode ser qualquer coisa como entretê-lo ou mudar as horas a que é alimentado ou que a higiene é feita”, explica. 

Imaginar jogar ténis   

As respostas de Scott Routley não foram simples “sim” ou “não”. Para a técnica de ressonância magnética funcionar, os médicos pedem aos doentes para pensar em duas actividades distintas, imaginar-se a jogar ténis ou a caminhar por casa. Este esforço imaginativo tem duas representações diferente no cérebro e é detectado pela ressonância magnética que lê o fluxo de sangue rico em oxigénio em regiões diferentes do cérebro. Depois, estabelece-se que uma das imagens é um “sim” e a outra é um “não”.

O médico que seguia Routley há dez anos explica que os exames mudam todas as avaliações feitas previamente sobre o estado do canadiano. “Ele tinha o quadro clínico de um doente vegetativo típico”, disse Bryan Young, neurologista do Hospital Universitário de Londres, Ontário, no Canadá. “Fiquei muito impressionado e surpreendido que fosse capaz de mostrar estas respostas cognitivas no exame de ressonância magnética”, admitiu, citado pelo diário britânico Guardian.

Young referiu ainda que esta técnica de Adrien Owen deveria passar a constar nos livros científicos. O cientista já tinha publicado um estudo que mostrava a capacidade desta técnica em 2010, na revista The New England Journal of Medicine.  

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Não ame bichos como se amasse pessoas

E aí, cuidou de seu bichinho hoje? Aproveitou e colocou foto dele nas redes sociais, né? Que bonitinho! É realmente bom tratar seu bichinho com carinho e cuidado. Mas ALTO LÁ! Há um limite na forma como você trata ele.

Sei que em tempos de ódio humano as pessoas têm preferido desviar seu foco de afeto para outras coisas. E é legal que numa hora como essa animais sirvam de consolo para o afeto que os seres humanos não estão sendo capazes de dar.

Mas o problema é que esta carência afetiva pode fazer com que os animais substituam os seres humanos de maneira literal, fazendo com que donos de animais tratem os seus bichinhos de estimação como se fossem pessoas, oferecendo regalias que eles não dariam a seres humanos.

Isso é o lado grave da carência resultante desses tempos onde por causa de interesses mesquinhos e supérfluos, as pessoas cismaram de brigar umas com as outras, nem que seja apenas nas redes sociais.

Trate seu bicho com carinho e cuidado. Mas não se esqueça de que ele não é uma pessoa. Seres humanos são seres sociais e devem aprender a conviver com membros de sua espécie. 

Sejamos pessoas a amar animais, mas não ajamos como animais irracionais a tratar bichinhos como se fossem pessoas.

O amor por animais nunca pode se sobrepor ao amor entre humanos. Aprenda a amar as pessoas. Um dia, chegaremos a um acordo que porá fim nestas brigas que são resultantes da ignorância, da teimosia e de nossa incapacidade de amar. 

Pensem nisso.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

As melhores mulheres nunca ficam encalhadas

Um mito muito repetido como mantra na sociedade hipócrita em que vivemos é o de que as melhores mulheres sempre ficam sozinhas. Um mito falso, mentiroso e que só serve para prejudicar os homens que tem dificuldades de se adaptar as rígidas regras de conquista, definidas pelas convenções sociais (e reguladas pela mídia).

Ninguém é idiota estando com o privilégio de ter acesso ao melhor e preferir o pior. Faz parte do instinto humano querer sempre o melhor. Se for para passar a perna nos outros para obter vantagem, melhor ainda. Serve para massagear os egos, se sentindo melhor que os outros. Mesmo que de fato não seja (e ninguém de fato é).

Claro que um homem acompanhado com uma mulher linda, inteligente, de classe, que não seja chata, é sempre bom aos olhos de outras pessoas. E justamente por isso, as melhores é que arrumam primeiro.

E não se enganem que as melhores mulheres se casam com os melhores homens. Muitas vezes é o contrário. Acontece que as mulheres, quando muito desejadas, filtram o número de pretendentes exigindo requisitos ligados a proteção e sustento, integrantes do instinto feminino. E na maioria dos casos, os homens que cumprem esses requisitos, acabam não cumprindo outros. E é nesta situação que um excelente conquistador, pegador mesmo, se transforma num péssimo marido. Daqueles de ficar enterrado no sofá todas as tardes de domingo.

Mas elas nem, ligam. Se o cara sabe proteger, tem porte físico e grana na conta, já serve. O resto se resolve depois ou se conforma mesmo. Tendo segurança e dinheiro garantidos, o resto é detalhe. Inclusive o convívio, o amor, o carinho e o respeito. Por isso que muitos defeitos comuns a muitos homens são tranquilamente tolerados pelas mulheres e até mesmo pela sociedade.

Até porque para conquistar uma gata dessas, como as das fotos acima (todas muito bem casadas com caras bem chatos e com filhos), não é preciso ser nenhum gentleman. Basta satisfazer os critérios de proteção e sustento que tá bom. Os caras que tem muitas qualidades, mas não satisfazem nos quesitos de proteção e sustento, ficam na mão - literalmente.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Aumenta incidência de pessoas com doenças e deficiências raras

Está aumentando a ocorrência de pessoas que tem doenças que a maioria não tem. Uns não toleram certos tipos de alimentos comuns; outros enxergam de cabeça para baixo; terceiros não reconhecem rostos; outros tem músculos moles demais, outros músculos duros demais, entre outras anomalias que ajudam muito a excluir essas pessoas do rótulo de "pessoas normais" influindo atá na sociabilização.

Mas o que são essas pessoas? Seria uma tentativa da natureza de criar mutações? É interessante pois os cada mutação atinge uma quantidade pequena de indivíduos. O que aumenta é a quantidade de pessoas que tem mutações de qualquer tipo.

A foto que ilustra esta postagem mostra uma belíssima jovem que fica paralisada por um tempo, pois em seus músculos são desenvolvida ramificações de ossos, que dificultam os movimentos. por causa disso, ela foi apelidada de "Mulher Manequim". Curioso que ela tem o aspecto de uma modelo e se interessa por moda, pretendendo trabalhar na área ao conseguir a não garantida cura. 

Recentemente um menininho teve outro problema muscular que contraía todos os seus músculos, incluindo os da face, o que lhe impedia de se comunicar normalmente. Uma garota, também em caso recentemente relatado, era o contrário desse rapaz, tendo músculos bem frágeis que o vento poderia levá-la. Tanto esta como a "Mulher Manequim" são obrigadas a usar cadeiras de roda, sendo a segunda adaptada par poder ficar em pé, já que esta não conseguia sentar.

Há muitos casos estranhos, muito estranhos. Mas não se sabe porque começaram a aparecer numa mesma época. A hipótese de mutação não deve ser descartada.

É uma mostra que o nosso corpo ainda é um grande mistério e que sabemos pouco sobre ele. Estas pessoas são verdadeiras cobaias vivas que ajudarão aos cientistas e médicos a entender ainda mais o nosso corpo, possibilitando o aumento nas opções de curas para todos os males.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Os falsos conselheiros amorosos

Existem nas redes sociais várias comunidades que ensinam o homem a conquistar uma mulher. Antes de falar sobre isso, quero esclarecer que já namorei várias vezes, mas com garotas que já estavam a fim de mim, que demonstraram isso. Geralmente não eram muito bonitas e tinham personalidade duvidosa, que causou o fim dos relacionamentos (todos os namoros, que foram bem curtos - ninguém aguenta uma chata por muito tempo - , que eu tive, fui eu que encerrei). Mesmo não sabendo conquistar uma mulher, eu já tenho uma larga (e infeliz) experiência afetiva. Agora voltemos ao tema.

Nestas comunidades, ilude-se quem pensa que terá ótimos e infalíveis conselhos para conquistar uma mulher que nunca demonstra que está a fim. os conselhos nunca vão além do "vá as festas noturnas e puxe um papo". Não há detalhes de como se deve iniciar esse papo, o comportamento que as mulheres esperam vir de um homem, que tipo de assunto abordar, etc.. Os conselhos se limitam a isso: vá para as noitadas e puxe o papo com alguém, algo que pode ser traduzido como "se vira!".

E também os conselheiros não conhecem a diversidade de pensamentos e gostos. Para eles, todo mundo vai a noitadas. E quem não vai? Como eles não conseguem imaginar uma diversidade de estilos de vida, achando que todo mundo é igual (ainda mais no Brasil, onde muitos se incomodam e não respeitam as diferenças). Desse jeito os conselhos dados vão parecer fórmula pronta, coisa de preguiçoso.

Mas porque os moderadores ou os "Don Juans" de meia tigela que aparecem na comunidade nunca dão conselhos que prestem. Pode ser porque...

- Eles não sabem porque. Conquistam pela sorte, mas para não ficar com a fama de que "não sabem conquistar" dão esses conselhos vazios para que ninguém pense que eles são incapazes.

- Eles sabem, sim. Mas não se deve divulgar um segredo a concorrentes. Então se enrola os possíveis adversários e eles ficam na deles, deixando os "Don Juans" sossegados com seu privilégio.

Na verdade quem deveria ensinar os homens a conquistar uma mulher são as mulheres. Só elas podem realmente dizer o que querem de um homem e outros segredos mais. Os homens que se dão bem nas conquistas, na verdade, são os que tem muitas amizades do sexo feminino (além de conselheiras, as amigas podem ser uma boa propaganda para outras mulheres - é uma espécie de "atestado de qualidade"). Nada como uma mulher para dizer para uma outra mulher se um homem serve para um relacionamento ou não.

Comunidades como as que prometem ensinar homens a conquistar são um engodo que só vai aumentar a solidão dos já solitários visitantes. Fuja dessa "fórmula mágica" de "vá as noitadas e puxe um papo". O casamento que virá disso poderá ser o mais chato do mundo.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Entramos em Recesso

A partir de hoje este blogue e os blogues associados entrarão em recesso. Além de eu ser obrigado a dar esta pausa por causa de minha vida pessoal, vou aproveitar para rever a distribuição de postagens e a estrutura de blogues, além de decidir um novo visual, mais moderno e de acordo com a maioria dos sites mais visitados. Desculpem o transtorno e continuem lendo as postagens mais antigas. Obrigado pelo prestigio e até breve!


sábado, 13 de junho de 2015

A silenciosa dor afetiva dos homens

As mulheres muitas vezes adoram reclamar da falta de homens, mesmo que esta falta não aconteça. A mulher, educada para posar de coitada, para atrair proteção alheia tem esta atitude como forma de se manter incluída socialmente. Já os homens, pelo contrário, não possuem esse direito, mesmo quando estão na pior.

Ainda mais quando o assunto é vida afetiva, a coisa piora. Segundo as regras sociais, um homem assumir publicamente que tem dificuldades afetivas serve de atestado de incapacidade, mesmo que os defeitos presumidos não existam de fato. É como um homem dizer para a sociedade: "eu não presto, não me queiram para namorado". Isso é mau porque os homens que tem real dificuldade para conquistar mulheres ficam privados de qualquer ajuda.

Todos conhecem aquele ditado "Homem não chora". Significa que os homens tem que passar a imagem de bem sucedidos 24 horas por dia, nem que em suas vidas tudo esteja errado e que tenham que se virar sozinhos para resolver seus problemas. O que acaba por estagnar esses problemas, já que muitos destes não são resolvidos sem ajuda alheia.

Mas porquê a sociedade ainda insiste em reprovar as reclamações masculinas? Quando posto alguma coisa sobre as minhas dificuldades afetivas no Facebook, sinto um silencioso clima de reprovação. Como se eu de repente tivesse cometido um crime. É crime pedir ajuda para resolver problemas afetivos? Talvez seja.

Mas porque sofrer calado? Isso tem demonstrado um grave erro há séculos. A experiência mostra que ao ter reprimido o seu direito de reclamar, o homem parte para a ignorância, cometendo os mais variados tipos de violência, gerando danos e até mortes. Não seria melhor chorar em um canto e depois pedir ajuda? Bom para ele e para toda a sociedade.

Sobre a sociedade, ela faz uma ideia errada dos homens que tem dificuldades afetivas. Vamos reconhecer, vivemos em uma sociedade burocrática, que cria regras e exigências para que alguém possa obter benefícios. Quem se dá bem é aquele que cumpre as regras e a satisfação dessas exigências. E quem não se adapta, como fica?

Tenham paciência com quem tem dificuldade. Ao invés de reclamar ou de acusar de defeitos que não se sabe se tem ou não, porque não ajudar o homem com dificuldades. Tenho absoluta certeza que um homem que é compreendido em sua dor e recebe ajuda, será uma pessoa bastante útil para a sociedade ao querer retribuir a ajuda recebida, nem que seja apenas com a simpatia ou com a gratidão.

É errado querem condenar um homem porque ele não é "forte" nem "bem sucedido". Todos nós temos ganhos e perdas durante toda a vida. O que deve ser feito é livrar das perdas. E a primeira atitude a fazer para isso é admitir que as perdas existem.

Um homem que pose de infalível com certeza está mentindo. E poderá agredir quem o conteste, caso ele não assuma seus problemas e procure ajuda.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

A paquera em tempos de ódio anti-humano

Ultimamente temos tido o infeliz modismo do ódio humano. No desespero de defender valores e interesses que não eram questionados antes da internet, os conservadores, sejam de quaisquer tipos, encenaram de criar uma espécie de ódio anti-humano, resultado na crença falsa de que as outras pessoas querem nos prejudicar. Se a lei dizia que todos são inocentes até prova ao contrário, hoje a situação é bem oposta. Temos que provar que não somos mal intencionados.

E hoje, no Dia dos Namorados, me ponho a pensar: e como está sendo a paquera nesses tempos? O feminismo e o machismo se tornaram reciprocamente odiosos e os pretendentes não estão chegando a um acordo que possa mantê-los unidos. Em casais é cada vez mais comum o fato de que um dos membros te que ceder, abrir mão de suas convicções para agradar ao outro, que não cede de qualquer jeito.

O limite do que é e do que não é indecoroso

As mulheres inventaram um tal de "chega de fiu-fiu". Em tese parece uma boa ideia, pois pretende punir as cantadas indecorosas. Mas o que é "cantada indecorosa"? Conta a lenda que esta campanha nasceu quando as mulheres começaram a ser paqueradas por homens não-brancos de origem pobre o que me leva a desconfiar dessa campanha. Quem se dará mal nesta situação?

As mulheres não são nada pudicas. Quando elas querem sabem ser bem safadinhas. O problema é que a "safadeza" tem hora certa e tem limites éticos. Saber qual é este limite é o desafio para qualquer homem, o que só os mais espertos têm a capacidade de entender.

Agora a paquera não pode mais ser feita em qualquer lugar. As regras de conquista ficaram mais duras. nas ruas as mulheres estão cada vez mais sisudas e insensíveis. E há uma contradição nas regras que permitem a liberdade na paquera, pois apesar de exigirem um respeito ético, as mulheres estipulam que - pasmem - apenas lugares destinados a bebedeira sejam considerados adequados para a paquera.

Deixa ver se eu entendi. É indecoroso paquerar em lugares como bibliotecas, salas de espera, transportes, em jardins floridos e em praças tranquilas. Respeitoso é paquerar em boates, com aquela gente bêbada caindo em cima de você, luzes piscando no breu total, som muito alto e muita algazarra. Sinceramente as mulheres são realmente complicadas. Quem conseguir entender o que se passa nas cabeças das mulheres merece o prêmio Nobel da Paz.

Todos vão se ferrar com novas regras de paquera, homens e mulheres

Até acho e temo que as novas regras de paquera vão cometer uma injustiça. E das mais graves. Quem vai se ferrar são os caras bem intencionados que paqueram de maneira respeitosa e gentil, mas não correspondem aos estereótipos do homem considerado "atraente. Os pilantras que fazem cantadas vulgares continuarão fazendo, só que nas boates, lugares permitidos para este tipo de coisa.

Resultado, os homens já não querem mais tomar a iniciativa das paqueras. Muitos nem frequentam mais boates quem vai a boate quer algo serio? Paciência...), dando às mulheres, ainda assíduas frequentadoras de noitadas, a ilusão de que "esta faltando homem". Pesquisas mostram que abaixo dos 5 anos a maioria é masculina, cerca de 5 homens para cada mulher. Eu falei homens, não galãs. Homens já são maioria em sites de paquera, o que pode confirmar o dado. 

O comportamento apático das mulheres também mostra que homens não fazem falta. Mulheres agem como se fosse fácil arrumar homem, embora em suas conversas digam o contrário. Mas com o tempo isso, pode mudar, pois o novo comportamento das mulheres nas paqueras está afastando os homens.

O que será que as mulheres terão que fazer para escapar da vindoura e inevitável solidão? Somente elas poderão responder.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Céu terrestre é fotografado do espaço



Uma belíssima imagem foi fotografada do espaço. É o céu azul de nosso planeta, numa faixa azul-claro que pode ser observada contornando o planeta. Foi tirada por um astronauta da Estação Espacial (ISS).

Quem tirou, o fez com uma sensibilidade impar. Foto bela e emocionante.

sábado, 6 de junho de 2015

Homens com profissões prestigiadas se dão melhor na vida afetiva

Vamos amadurecer e reconhecer: o amor ainda não é desse mundo. O amor, para a maioria, virou uma palavra bonita que todos sentem prazer em pronunciar. Já o sentimento em si, ah, como está tão ausente...

Casais ainda se unem por interesses. Não só financeiros como sociais, já que solitários, mesmo quando voluntários, não costumam ser bem vistos. É preciso estar casado para agradar a uma sociedade que colocou na sua inerte cabecinha que "estar casado" é sinônimo de "ser valorizado", quando a lógica mostra que nem sempre isso é verdade.

E quanto mais prestígio social se tem, mas forte é a obrigação de estar sob um matrimônio. Há cobrança, mas há facilidades também, já que pessoas prestigiadas tem obstáculos à vida afetiva arrancados de seu caminho.

Os homens que são profissionais prestigiados que o digam. Profissionais liberais (advogados, engenheiros, médicos e similares), diretores de diversos tipos, empresários, executivos, etc., que por serem versões humanas do mito dos "Machos Alfa", sempre se deram melhor socialmente e sobretudo, afetivamente. Classicamente são profissionais prestigiados que possuem o direito, para eles irrecusável, de escolherem as mulheres com quem vão se envolver. Normalmente pegam as melhores, as mais intelectualizadas, elegantes e, claro, lindas e de bom gosto. As outras ficam para o restos dos homens, menos prestigiados.

E sinceramente, nunca ouvi falar de profissional prestigiado que viva chorando rotineiramente porque não consegue conquistar uma mulher. Porque se ele é um profissional prestigiado ele CONSEGUE, SIM! Ao menos que a religião dele proíba de se casar ou que ele seja gay. Se bem que, no Brasil, há muitos gays enrustidos que acabam se casando com mulherões, só para agradar a sociedade, fazer o quê?

E graças a isso, observa-se duas coisas: profissionais prestigiados que não conseguem ficar sozinhos e profissionais comuns que tem que se contentar com as mulheres que aparecem.

Mas que tanta magia os profissionais prestigiados exercem nas mulheres? Se lembrarmos que vivemos numa humanidade atrasada, ainda bastante instintiva, perceberemos o fato de que as fêmeas ainda procuram um protetor/provedor. E ninguém melhor que um profissional prestigiado para exercer essa função.

A vida afetiva numa sociedade injusta, tem que ser igualmente injusta. Não importa se há homens apaixonados. Importa é que hajam homens dispostos a proteger e sustentar as suas mulheres, como nos velhos tempos de irracionalidade animal. Dispostos como os profissionais prestigiados, excelentes profissionais, seres humanos medíocres e maridos da pior qualidade.

Ainda temos que aprender muito. Até lá, continuaremos batendo cabeça por aí. Inclusive na vida afetiva.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

O amor é uma ilusão

Ninguém sabe exatamente o que é amor. É apenas uma palavra linda que todos ainda insistem em pronunciar, como a palavra "paz", que carrega uma semântica poderosa de valor positivo, mas que não possui um significado exato para toda essa gente.

Esse negócio de justificar qualquer formação de casais usando o amor, é na verdade uma ilusão, como outras quaisquer. No Brasil, principalmente, as pessoas convencionaram em associar a sua felicidade a ilusões. A incapacidade de resolver os problemas cotidianos, seja voluntariamente ou não, as obriga a sair a procura de fugas, criando um mundo a parte, irreal, onde tudo é bom e todos são perfeitos e felizes. É aí que o romantismo besta começa a aflorar.

Mas na realidade, no caso dos relacionamentos afetivos, nota-se que esse romantismo é falso e ilusório. Acreditar na suposta força de amor traz conforto as pessoas, mas a realidade mostra o contrário, relacionamentos que começam por interesses materiais (sejam financeiros ou não) ou simplesmente a necessidade de agradar a sociedade, com o objetivo de angariar outros benefícios materiais. De qualquer forma, a palavra "amor", é usada em vão, só para dar um caráter nobre aos relacionamentos que começaram de maneira bem mesquinha.

É claro que sim o amor. Mas são poucos os capazes de sentir. Normalmente ele é mais notado entre os solitários e carentes. Como se a falta de companhia pudesse ajudar a desenvolver melhor a sensibilidade. Como se a solidão, favorecendo o tempo livre para o auto-conhecimento, pudesse dar a oportunidade de uma pessoa desenvolver a sensibilidade, algo quase impossível para quem vive ocupado com relacionamentos atrás de relacionamentos.

A sociedade atual no seu todo ainda não se encontra em condições de entender o verdadeiro amor. Por enquanto, ela pega o nome emprestado e classifica as outras sensações que ainda conseguem sentir. Mas ainda vai demorar bastante para que possamos ver os anúncios publicitários de Dia dos Namorados pararem de fazer propaganda enganosa com um sentimento nobre, de que a sociedade só conhece o nome.

domingo, 17 de maio de 2015

O Milagre de Anne Sullivan. Filme baseado na história real da surdocega Helen Keller

ESPREMENDO A LARANJA: Sempre fui fascinado pela história desta garota que nasceu, cega, surda, muda mas superou tudo isso e se tornou uma das maiores personalidades de seu tempo, uma intelectual que não viu limites em seus sentidos, servindo de exemplo para toda a humanidade.

Tenho o filme citado em DVD e amei. É muito bem feito e com atuações bem fortes, executadas com absoluta competência pelas duas protagonistas. Gostaria de poder comprar a biografia (que anda meio carinha nas livrarias), embora tenha lido parte dela.

O Milagre de Anne Sullivan. Filme baseado na história real da surdocega Helen Keller.

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 25/11/2012  - Blogue Turismo Adaptado

O Milagre de Anne Sullivan (The Miracle Worker) é um filme dos Estados Unidos de 1962, do gênero drama biográfico, dirigido por Arthur Penn, e baseado no livro The Story of my Life, de Helen Keller e na peça teatral de William Gibson.

O filme relata a história de uma menina cega. Não só cega, mas muda. E como se não fosse demais, era uma menina surda, muda e cega. O nome dela era é Helen Keller, de sete anos, filha de proprietários de terras. Keller não sabia o que era mundo e não sabia como interpretá-lo, e apesar disso tudo, ela precisava muito se expressar.

O filme é muito complexo, mas ao mesmo tempo é humano demais. Um filme que mostra como o ser humano não está seguro sobre as coisas que a vida pode aprontar. O Milagre de Anne Sullivan é um retrato psicológico, mostra-nos como não sabemos lidar com  com limites físicos e a realidade de um ser humano. O filme é um pouco agressivo no sentido de mostrar as dificuldades de se viver em um mundo silencioso e escuro, como o de Helen, e que não há como ignorar a dor de uma garotinha.

A menina não conhece o mundo à sua volta, mas sabe do que precisa para viver e acaba por se tornar uma tirana em sua casa, já que sua família lhe dava todas as liberdades como uma “inválida”, como achavam que Helen era. A menina tinha o total domínio em sua casa, então, portanto controlava o comportamento de seus familiares; ela não entende como é ser educada e muito menos como escutar um não.

A Helen recebe uma orientação de uma pessoa com suma importância, que é Anne Sullivan, uma professora. Ela é uma mulher que era cega (fez nove cirurgias nos olhos) e usa óculos escuros para proteger-se do sol, acostumada a conviver com cegas e cegos, mas ao se deparar com Helen, entende que ali está o maior desafio da sua vida: o desafio de explicar a uma menina como viver no mundo e como entende-lo, e seu maior objetivo era que todos a tratassem como uma pessoa normal.. Para isto entra em confronto com os pais da menina, que sempre sentiram pena da filha e a mimaram, sem nunca terem lhe ensinado algo nem lhe tratado como qualquer criança.

Ao conhecer Anne, o pai de Helen transpareceu um enorme preconceito dizendo: “… eles esperam que uma cega ensine a outra”. Como explicar a uma menina que terra é a terra? Que fome é vontade de comer? Como mostrar a árvore para uma menina, que não consegue vê-la? Como ensinar a menina comer com garfos e facas, se a menina não sabe nem o que é educação? Como ensinar a menina o que é o amor? São essas as perguntas que Anne se faz durante o filme todo.

A relação que as personagens travam entre si foge completamente da esperada por todos que assistem ao filme: ao contrário de amor e compreensão de imediato, Anne se torna uma megera na vida de Helen. Anne demonstra que a única forma de ensinar Helen a ser gente, é a tirando de seu pedestal, a destronando de seu império, criado pela dó e pena que seus pais tinham, e mostrar o que é a realidade para a garotinha.

A realidade não é bonita. Comer no prato não é fácil, saber indicar as coisas e seus significados é quase impossível. Anne resolve criar um método de comunicação entre elas: o tato seria o alfabeto. O tato serviria como o meio de comunicação, fazendo com que Anne e Helen desenvolvam uma sequência de palavras associadas aos gestos das mãos. O primeiro contato de Helen com o alfabeto no tato em libras foi no momento em que Helen encontra uma boneca na mala de Anne e descobre que ela possui a mesma forma de seu rosto.

Durante anos, Hellen Keller tem comportamento selvagem e indisciplinado. O estimulo da comunicação através de um dos sentidos (tato) com Anne Sullivan a incentiva a utilizar o tato como o elo entre ela e o mundo; desenha palavras na mão da menina a fim de que ela compreenda a relação entre as palavras e seus significados. O tato passa a ser a via pela qual a menina “enxerga” o mundo, até que, em um momento, compreende realmente a linguagem. A partir daí, aprende o alfabeto Braille e aos dez anos começa a falar.

As cenas são definitivamente emocionantes, como por exemplo, quando Helen começar a correr e encostar-se às coisas , perguntando para Anne como era o nome delas, árvore, chão, degrau e professor. Uma das cenas mais lindas.

O filme conta a história da persistente professora do título, contratada para ensinar Hellen que fica surda e cega aos 18 meses de vida.  A força de vontade, vocação e fé de Sullivan é tanta que nada parece ser obstáculo para ela, nem mesmo os próprios pais de Hellen, com quem vive entrando em conflito Em 1904, formou-se com louvor, e foi a primeira aluna cega e surda e terminar um curso universitário.

Enfim, o filme carrega uma mensagem de dor, conquista e apoio que poucos filmes apresentam ter. O milagre de Anne Sullivan é um dos mais bem filmes produzidos e virar as costas para uma obra rara dessas, é, no mínimo, ignorância imperdoável.

“Nunca se deve engatinhar quando o impulso é voar” – Helen Keller


sábado, 16 de maio de 2015

Indiano cria microscópio mais barato do mundo

Uma invenção que pode salvar vidas ao identificar possíveis micro-organismos nocivos à saúde humana,  pode finalmente ser criada e a baixíssimos custos.

O bioengenheiro Indiano Manu Prakash criou o miroscópio mais barato do mundo, o Foldscope. As peças são impressas em papelão, e depois são destacadas e montadas como um origami, precisando apenas de uma bateria similar a dos relógios e de uma pequena lambada para funcionar.

O custo total é de cerca de R$1,50 e o equipamento é muito útil nas horas que se precisa de um diagnóstico imediato que possa ser feito a baixo custo. Ele pode ser montado em apenas sete minutos.

Prakash garante que o  microscópio não sofre danos, podendo até cair de grandes alturas e ser pisado. A praticidade da montagem do equipamento garante a sua fabricação em série.

Esse cara sim, é um dos que merecem nossa admiração. Uma pequena revolução que é de extrema utilidade para a ciência e a medicina mundial.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Cientistas buscam diagnóstico eficiente de transtorno de atenção

ESPREMENDO A LARANJA: Eu mesmo sou um portador de TDAH. Tenho muitos problemas relacionados com a minha escassez de atenção. Eu me esforço para compensar isso, mas é um sufoco. Creio até que meu amadurecimento tardio tem muito a ver com isso.

Mas prefiro não tomar remédios por medo dos efeitos colaterais. Vou vivendo, mesmo limitadamente. Pelo menos tenho conseguido até agora, já que minha dificuldade de atenção até agora não gerou nenhum dano grave.

Cientistas buscam diagnóstico eficiente de transtorno de atenção

09 de junho de 2010 • 15h06 • atualizado às 15h09 site Terra

Estou diante de um console de plástico cinza que lembra uma cabine de piloto de avião. Toda vez que me mexo, um pequeno refletor em uma tiara improvisada na minha testa alerta um dispositivo de monitoramento infravermelho que aponta para mim de cima de um monitor de computador.

Vendo a tela, eu devo clicar em um mouse toda vez que vejo uma estrela com cinco ou oito pontas, mas não estrelas com apenas quatro pontas. É uma tarefa realmente simples e tenho diploma de graduação.

Então por que sempre erro? Na metade da sessão, com duração de 20 minutos, me vejo clicando em várias estrelas de quatro pontas, enquanto suspiro, xingo e bato o pé a cada novo erro, enviando informações ainda mais desfavoráveis ao aparelho através de faixas de monitoramento ligadas às minhas pernas.

O Dr. Martin H. Teicher, psiquiatra de Harvad e inventor do teste, tem uma explicação para minha situação difícil. "Temos algumas evidências objetivas de falha na atenção", ele disse ¿ em outras palavras, um caso "muito sutil" de transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, ou TDAH (de fato, já tinha recebido esse diagnóstico três anos antes).

Eu não apenas cliquei demais onde não deveria, ou não cliquei onde deveria, mas pequenas mudanças no movimento da minha cabeça, monitorado pelo detector de movimento do aparelho, sugeriam que eu tendia a mudar estados de atenção, de focada na tarefa a distraída, passando por impulsiva.

A invenção de Teicher, o Sistema Quociente TDAH, é apenas um dos vários esforços contínuos para encontrar um indicador biológico - evidências biológicas nítidas - para este transtorno tão elusivo.

A maioria dos pesquisadores considera o TDAH um déficit genuinamente neurológico que, se não for tratado, pode arruinar não apenas os boletins escolares, mas também vidas. No entanto, a busca por evidências objetivas ganhou uma nova urgência nos últimos anos.

Muitos críticos dizem que o transtorno está sendo descontroladamente superdiagnosticado por médicos que empurram medicamentos controlados em associação com a indústria farmacêutica, estimulados por uma cultura de pais extremamente ansiosos e educadores complacentes.

Esses críticos afirmam que o tratamento padrão - medicamentos estimulantes como Ritalina e Adderall - trazem um alto risco de efeitos colaterais e abuso em crianças cujos problemas de atenção podem não ter causa biológica.

Mesmo assim, apesar dos perigos do diagnóstico falho, a forma mais comum de detectar o distúrbio não tem relação direta com a biologia. Em vez disso, os pacientes - junto com seus pais e professores, no caso das crianças - são solicitados a responder um questionário sobre sintomas dos quais a maioria dos mortais acaba sofrendo cedo ou tarde. Você (ou seu filho) muitas vezes comete erros bobos? Você muitas vezes não ouve quando falam com você diretamente? Você muitas vezes não acompanha instruções que lhe são dadas?

Este método, similar à forma como os médicos diagnosticam doenças mentais, é tão subjetivo que as respostas, e os diagnósticos, podem depender do quanto um paciente, um pai ou professor está se sentindo angustiado em determinado dia. Além disso, pais e professores, e até pai e mãe, podem discordar, obrigando o médico a escolher em quem acreditar.

Tudo isso explica por que um teste objetivo se tornou o "Santo Graal" para muitos pesquisadores, disse Stephen Hinshaw, diretor do departamento de psicologia da Universidade da Califórnia, em Berkeley. Mesmo assim, ele e outros especialistas não estão convencidos de que algum teste desenvolvido até agora tenha se mostrado melhor do que o método predominante do questionário.

Muitos psicólogos que oferecem testes abrangentes em crianças com problemas de aprendizagem não diagnosticados incluem algumas variações do Teste de Desempenho Contínuo, uma avaliação por computador que mede o nível de distração; é similar à invenção de Teicher, mas sem o detector de movimentos.

Enquanto isso, no sul da Califórnia, o Dr. Daniel G. Amen construiu um império comercial com sua declaração de que consegue detectar o TDAH com um scanner de cérebro usando uma tecnologia chamada Spect, para tomografia computadorizada de única emissão de fóton - uma alegação ainda não confirmada em relatórios revisados por pares e testes clínicos.

Em contraste, Teicher relatou testes da eficácia de seu teste no Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry. A FDA (Food and Drug Administration) aprovou as vendas do dispositivo em 2002, e várias seguradoras, incluindo Aetna e Blue Cross, agora cobrem o teste, de acordo com Carrie Mulherin, vice-presidente da BioBehavioral Diagnostics, empresa de Westford, Massachusetts, que fabrica o sistema de Teicher (e paga royalties ao pesquisador; o preço de tabela é US$ 19.500).

Até hoje, mais de 70 clínicos em 21 estados compraram ou fizeram leasing de um sistema Quociente, disse Mulherin. O Dr. M. Randall Bloch, psiquiatra de Walnut Creek que demonstrava o programa para mim, faz leasing do aparelho desde setembro, enquanto considera comprá-lo. "Acho o dispositivo ótimo", ele disse. "Seria muito bom ter mais objetividade".

Além do pagamento do leasing, Bloch paga à BioBehavioral Diagnostics US$ 55 para cada paciente que realiza o teste, enquanto cobra das empresas seguradoras até US$ 200. Embora afirme que não diagnostica o transtorno apenas com base na pontuação do teste, ele encontrou no sistema uma forma útil de definir o diagnóstico com pacientes ou pais de pacientes relutantes em recorrer à medicação.

O sistema Quociente também ajudou Bloch a desmotivar pacientes que alegaram ter problemas de atenção, mas que, ele suspeita, estavam simplesmente interessados em tomar estimulantes por diversão, ou na esperança de se tornarem mais produtivos.

Dá para saber quando eles tentam brincar com o teste¿, ele me disse, apontando para um gráfico colorido na minha própria avaliação indicando estados de atenção. O verde quer dizer atento, o amarelo é impulsivo, vermelho é distraído e azul é "desligado". Muito azul pode levar à suspeita de que alguém está errando de propósito.

Eu fiz alguns verdes, vermelhos e amarelos, mas não tive nenhum azul no gráfico. "Você trabalhou duro", disse Bloch, em tom de aprovação. "É como eu lido com isso", murmurei.

Teicher disse que o sistema Quociente oferecia uma forma eficiente de descobrir a dose e o tipo de medicamento mais apropriado para tratar os problemas de atenção.

"Os estimulantes trabalham muito rápido", ele explicou. "Então, depois de testarmos uma criança, podemos dar uma dose a ela e esperar 90 minutos. Se ela responder ao medicamento, seu desempenho melhorará muito. Caso contrário, podemos trazer a criança na semana seguinte e tentar uma medicação diferente. Este é um processo que normalmente leva meses ou anos".

O segredo do sistema, ele disse, é o que ele suspeita que no final acabe sendo confirmado como um indicador biológico válido para TDAH: um controle instável de movimentos de cabeça e postura, particularmente enquanto se presta atenção em uma tarefa tediosa.

No último outono, os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos concederam a Teicher uma verba de US$ 1 milhão do pacote federal de estímulos para se aprofundar na busca por um teste ou indicador biológico definitivo para o transtorno. Ele planeja focar sua pesquisa em três estratégias de investigação: seu sistema Quociente, exames de ressonância magnética para compara fluxos de sangue em diferentes regiões cerebrais, e o ActiGraph, um monitor de atividade amplamente usado por pesquisadores da área médica.

James M. Swanson, psicólogo do desenvolvimento e pesquisador da atenção na Universidade da Califórnia, em Irvine, elogiou a pesquisa de Teicher, mencionando sua preocupação em relação à necessidade de um teste objetivo para detectar o transtorno. Mas ele questionou se o sistema Quociente produz diagnósticos mais confiáveis do que o questionamento obstinado do médico a pais e professores de crianças, e também se esta é uma forma apropriada de descobrir a dose certa de medicação.

"Essencialmente, é uma tarefa tola e maçante", ele disse, referindo-se ao sistema Quociente. "Você quer medicar seu filho para que ele preste atenção a tarefas chatas e maçantes?"

Enquanto saía do escritório de Bloch com minha avaliação impressa, refleti sobre algumas questões. Quanto dessa suposta dificuldade de atenção está enraizada no meu cérebro, e quanto se origina de uma cultura que diariamente me treina para mudar bruscamente meu foco do e-mail para ligações no celular? Preciso de Ritalina ou de um retiro de meditação - ou simplesmente um trabalho mais interessante, ou talvez crianças mais tranquilas?

Katherine Ellison, jornalista da Califórnia, é autora de "Buzz: A Year of Paying Attention," a ser publicado em outubro nos Estados Unidos.

sábado, 2 de maio de 2015

O médico que fez uma cirurgia em si mesmo

ESPREMENDO A LARANJA: Esse impressionante caso de auto-cirurgia foi relatado em um dos sites que eu visito e me impressionou bastante pela coragem e e iniciativa do médico que, numa situação de risco e sem qualquer outro profissional para socorrê-lo, ele tendo o conhecimento que tinha, resolveu arriscar e operou a si mesmo, num bem sucedido caso de auto-cirurgia, talvez o único de que eu tenha ouvido falar.

Leonid Rogozov, um cirurgião herói

Por Admin em Curiosidades. 19-02/2010 Extraído de Metamorfose Digital
Em 29 de abril de 1961 um médico da 6ª Expedição Antártica Soviética, Leonid Rogozov, com 27 anos, sentiu febre e uma dor intensa no lado direito da barriga. Não tendo nenhuma possibilidade de chamar um avião e sendo o único médico na estação "Novolazarevskaya", o cirurgião fez uma operação de remoção do apêndice nele mesmo com anestesia local auxiliado por um engenheiro e um meteorologista da estação.

Em 1959, Leonid Rogozov graduado em medicina foi imediatamente aceito para fazer a residência como cirurgião. No entanto, os seus estudos foram postergados por algum tempo devido à viagem  à Antártida em setembro de 1960 como médico da expedição soviética à estação Novolazarevskaya.

Durante esta expedição aconteceu um evento que fez com que o médico de 27 anos se tornasse famoso no mundo todo.

No 4º mês do inverno, Leonid apresentou sintomas inquietantes: fraqueza, náuseas, febre e dor na região ilíaca direita. No dia seguinte, sua temperatura subiu ainda mais. Sendo o único médico na expedição composta por 13 pessoas, Leonid diagnosticou a si mesmo com apendicite aguda. Não havia aviões em qualquer das estações mais próximas, além disso, as condições meteorológicas adversas não permitiriam de forma alguma sair dali. A fim de salvar o membro doente da expedição polar era necessária uma operação de urgência e a única saída era operar a si mesmo.

Na noite de 30 de abril de 1961, o cirurgião foi auxiliado por um engenheiro mecânico e um meteorologista. Um entregavam a ele os instrumentos cirúrgicos necessários e ou outro segurava um pequeno espelho sobre sua barriga para que melhor enxergasse.

O médico fez uma anestesia local com solução de novocaína seguida de uma incisão de 12 centímetros na região ilíaca direita com um bisturi. Entre a visão do espelho e o tato ele removeu o apêndice inflamado e injetou antibiótico na cavidade abdominal. Mas não foi nada fácil, 30 ou 40 minutos após o início da operação Leonid sentiu um incipiente desmaio com o formigamento e vertigem que percorreu todo seu corpo obrigando o cirurgião a fazer algumas pausas para descanso. No entanto, à meia-noite a operação com duração de 1 hora e 45 minutos havia terminado. Cinco dias depois a temperatura normalizou, em dois dias os pontos foram retirados.

Em São Petersburgo, Museu do Ártico e na Antártida há uma exposição dos instrumentos cirúrgicos usados por Leonid Rogozov naquela operação.

O astronauta-piloto, um herói da União Soviética, German Titov escreveu em seu livro "O meu planeta azul":

"Em nosso país uma exploração é a própria vida...

... nós admiramos o soviético Boris Pastukhov médico que injetou-se com uma vacina experimental antes de aplicá-la nos doentes, temos inveja da coragem do médico soviético Leonid Rogozov que fez uma operação de remoção do próprio apêndice nas piores condições de uma expedição na Antártica.

Às vezes eu reflito sobre isso na solidão e me pergunto se eu poderia fazer o mesmo e apenas uma resposta vem à minha mente: 'Eu daria o meu melhor ...'"

------------------------------------
Leia mais em: Leonid Rogozov, um cirurgião herói - Metamorfose Digital http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=10549#ixzz227IBsO1P

domingo, 26 de abril de 2015

Tenha a gentileza de respeitar o Gentileza

No mundo, principalmente no Brasil, quando algo vira moda, há uma adesão automática das massas, que assimilam sem compreender e difundem isso até que um dia deixa de ser "moda" e todo mundo larga, passando a fazer o mesmo com outro "modismo.

Uma das modas na Região Metropolitana do RJ é puxar o saco do Profeta Gentileza, aquele homem bondoso que foi mal compreendido quando vivo, tratado como louco e que só queria fazer a caridade de forma bastante radical, largando todos os seus bens e saindo por aí ensinando o amor ao próximo.

Muita gente sem gentileza está usando camisetas, calçados e outras coisas, com frases e escritos que lembram as deixadas pelo profeta, mas sem realmente saber o que estes escritos significavam. É como se puxar o saco do profeta e usar as suas frases em camisetas por si só fizessem quem usasse, um ser humano melhor. Nada disso.

Gentileza foi um ex-empresário de médio porte que largou tudo para fazer caridade. Teve uma participação intensa no socorro às vítimas do famoso desastre de um circo em Niterói. Andava pelas ruas com seus cartazes tentando chamar a atenção para a sua causa.

Ao morrer em 1996, passou a ser tratado como "símbolo" do Rio de Janeiro. Desde então,virou moda usar as suas frases em roupas e objetos. Virou uma espécie de "passaporte" para todo mundo posar de "gentil". Um horror.

Para piorar, a família do profeta não ganha nada pela utilização dessas frases, vivendo com dificuldades. Gentileza não era contra o dinheiro, mas contra o abuso de sua utilização. Abuso que é estimulado pelo Capitalismo. Muita gente está ganhando o dinheiro da ganância, por usar as frases do simpático velhinho.

Triste saber que ainda ninguém consegue entender o amor ao próximo. Poucos estão preparados para ajudar o outro de verdade.

O que sei é que não é usando as palavras de Gentileza que tornaremos a sociedade melhor. Melhor seria seguir seu exemplo. Não radicalmente como ele fez. Mas pelo menos repartindo o que temos de excessivo e inútil, além de eliminarmos a ganância e desistir da ideia de "batalhar" para sermos melhores que os outros.

Gentileza era um homem gentil. E não é nada gentil o que estão fazendo com suas lições.


sábado, 25 de abril de 2015

Menina Alagoana decide criar biblioteca pública por conta própria

É tradição para os brasileiros ser um pouco avesso a leitura de livros. Isso é ainda maior entre os mais jovens, muito mais interessados e se divertir do que adquirir conhecimento. Mas há exceções. E boas exceções, que nos deixam de queixo caído e com esperança de um futuro melhor.

E um desses exemplos veio de onde a gente menos espera que surja iniciativas desse tipo. No interior do estado nordestino do Alagoas, na cidade de Mata Grande, uma menina de apenas 7 anos que adora ler livros decidiu por conta própria e com o apoio inicial dos avós, de criar uma biblioteca púbica que pudesse atender aos moradores da localidade onde mora.

A menina atende pelo nome de Mell e sua iniciativa, felizmente, tem chamado a atenção não apenas dos moradores da sua cidade, como de todo o estado e agora, de partes do país todo. Cidadãos locais se mobilizam para doar livros - todos em bom estado e muitos atualizados! - e a biblioteca central da cidade já se ofereceu para ajudar na infra estrutura e na catalogação do acervo.

Mell pretende estimular jovens como ela a se interessarem por livros e usar a iniciativa para enriquecer a cultura local. Em Arapiraca, no interior do mesmo estado, outra criança teve a mesma ideia e sua biblioteca, há um tempo em funcionamento tem provado que a iniciativa, que faz muito sucesso, dá certo. 

A biblioteca de Mell ainda não está pronta, embora haja ajuda o suficiente para pelo menos começar apor em prática o desejo da menina. Vendo o sucesso em Arapiraca, certamente não haverá empecilho ara a sua concretização. E torcemos para que Mell, um exemplo a ser seguido não apenas por crianças e jovens, as por adultos também, possa ter cada vez mais sucesso e felicidade e que muitas bibliotecas possam nascer através dessa iniciativa.

Iniciativas desse tipo merecem toda a nossa admiração e todo o nosso apoio. Até porque precisamos cada vez mais de bibliotecas e livrarias. Se as pessoas lessem mais, seriam muito menos burras e muitas asneiras que lemos nas redes sociais nunca teriam sido escritas.

Parabéns, Mell. Se todos os jovens tivessem a maturidade que você tem.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Nem toda teoria conspiratória é mentirosa

A turma neo-conservadora, que defende os pontos de vistas da mídia e da elite e que só consegue acreditar em valores pré-estabelecidos, mesmo errados, adotou a nova mania de achar que qualquer tentativa de desmitificar ideias consagradas é mentirosa. Essa defesa é óbvia, já que os neocoms só acreditam naquilo que os beneficia.

As ideias que surgem para desmitificar valores consagrados são conhecidos como "Teorias Conspiratórias". Estas surgem para desvendar algo que está por trás de alguma ideia consagrada, defendida pela maioria ou pelos detentores do poder.

Sabemos que a elite tem relações íntimas com o poder. Grandes empresários falam grosso com presidentes e aproveitam as estreitas relações com os três poderes para perpetuarem e aumentarem seus privilégios. E não medem esforços para isso. Daí que muitos valores consagrados de nossa sociedade são na verdade resultados de estratégias feitas pelos poderosos, explorando a ingenuidade da população comum. A televisão é o principal meio para por em prática os resultados dessas estratégias.

Para que os interesses dos poderosos sejam mantidos, foi lançada a ideia de que toda teoria conspiratória é mentirosa. Claro. Se essas teorias tem como objetivo desmascarar o estabelecido e que o estabelecido mantem interesses de privilegiados, classificá-las como "mentiras" é um bom meio de manter os interesses.

E o que é mentira? O que é verdade?

Claro que assim como nem toda teoria conspiratória é mentirosa, nem toda e verdadeira. Há teorias falsas e verdadeiras. A lógica é que deve ser usada para classificar.

Quando uma teoria conspiratória é verdadeira, ela deixa de ser considerada como tal e passa a ser fonte de revisão histórica, corrigindo fatos e desfazendo mitos.

Portanto, antes de condenarmos as teorias conspiratórias, verifiquemos o seu sentido e analisemos para que possamos colocar os fatos no lugar dos mitos.

O povo brasileiro adora acreditar em mitos, consagrando mentiras que satisfaçam interesses de privilegiados. Desfazer mitos é uma obrigação para quem quer e a verdade se estabeleça no coração de nossa população.

terça-feira, 21 de abril de 2015

Pra quê tanto feriado?


Brasileiro é um povo interessante. Adora feriado e quer ainda mais, ao invés de reduzir a carga horária daquilo que eles chamam de trabalho (que na verdade é emprego - trabalho é qualquer atividade que produza algo), onde passam a maior parte da semana se dedicando a satisfazer chefe e clientela. O ideal que trabalhemos em nossos empregos apenas um turno por dia, com outra pessoa completando o mesmo serviço em outro turno.

Mas como brasileiro detesta lutar pelos seus direitos, sendo ao mesmo tempo um povo submisso, medroso e preguiçoso, aceitam de bom grado a carga excessiva que lhe impõem e preferem escolher que alguns dias fiquem o dia inteiro sem fazer nada de importante (se ao menos se dedicassem os feriados a algo que lhes pudesse desenvolver suas qualidades até seria bom, mas nem isso). Esses dias onde o cidadão se dedica para fazer porra nenhuma se chama "feriados".

E brasileiro adora feriado. Povo infantil, que se recusa a melhorar seu intelecto (embora adore ser chamado de "inteligente": elogios falsos são o "ouro de tolo" dos brasileiros), quer brincar e muito. Mesmo que sejam brincadeiras de adulto. Tudo bem que ninguém pode ser sério sempre, mas para não ser sério precisa ser idiota?

Everything is silent and grey

Eu detesto domingos e feriados. Aliás detesto qualquer coisa que lembre o vazio, o nada. Tenho mais medo do nada do que da morte. Em casa sempre procuro preencher as coisas, evitando qualquer vácuo. E o feriado é o "Dia do Vazio". Ruas vazias, comércio fechado, serviços parados e nada, absolutamente nada para se fazer. É um dia bom para quem quer passar dormindo. E é um dia muito triste pelo tédio e pela solidão tradicionais em feriados, domingos e dias parecidos.

Por isso mesmo o pior dia da semana para mim é o domingo. O que é um domingo senão um feriado obrigatório que temos que encarar a cada semana?

Feriados são bons para quem tem uma vida social intensa, pois os amigos  - incluído uma bela mulher que algum sortudo tenha o direito - fazem o pepel de "brinquedo", oferecendo emoções baratas (cheap thrills) o preguiçoso cidadão, que prefere pausas esparsas do que lutar para trabalhar menos todos os dias.

O ruim dos feriados é que você tem tempo livre para fazer algo importante, mas não pode porque está tudo fechado. Não posso ir a uma biblioteca* ler um bom livro, porque ela não funciona. Não posso comprar o que eu quero por que a loja que tem este produto está fechada. 

Os feriados e domingos são na verdade os dias que escolhi para atualizar blogues, pois nem para ler notícias na internet dá, pois boa parte dos sites diminui drasticamente suas postagens nesses dias. Como nada tenho mais a fazer, estou a escrever estas coisas que vocês muitas vezes se recusam a ler, já que os brasileiros só gostam de ideias estabelecidas, que sejam defendidas ou por uma maioria, ou por pessoas de prestígio, não de um Zé Ninguém como eu. E cultuar feriados como algo salutar, é uma dessas ideias estabelecidas.

Vou levando essa vida assim, pois não tenho o poder de mudar as coisas, embora tenha o discernimento que os poderosos e seus seguidores não tem e não querem ter. Enquanto utilizamos nosso tempo livre para bobagens, continuamos cada vez mais submissos aos "líderes" que nos escravizam para as suas vontades particulares, pois eles lucram e muito com a nossa inércia e o nosso fascínio pelo fútil e inútil.

De qualquer forma um bom feriado a todos. E que aprendam  a utilizá-lo de forma mais produtiva possível.

---------------------------------------------------------
* NOTA: Brasileiro odeia livros. E a mídia e as autoridades se aproveitam desta característica para estimularem ainda mais isso, sabendo que povo burro é mais submisso. A prática mostra que está tática está sendo bem sucedida. Livros caros, bibliotecas e livrarias que além de serem escassas em cada cidade - interessante, em cada cidade há poucas livrarias e bibliotecas, mas muitas igrejas e muitos bares - que só funcionam quando todos estão trabalhando, entre outras medidas, servem para afastar cada vez mais o povo de uma leitura saudável que possa lhes abrir a mente. E com isso tudo fica como está, estagnando nosso desenvolvimento e mantendo as injustiças e os problemas intactos que vão sendo passados como se fossem uma bomba prestes a explodir.