domingo, 17 de agosto de 2014

Nós todos casamos com as pessoas erradas

ESPREMENDO A LARANJA: Romantismo só existe em novela. A vida real, crua e seca, não oferece oportunidade para o verdadeiro romantismo, a não ser o "romantismo" de fachada, com pompa, vestidos caros, luz de vela e todas as inutilidades necessárias para compensar a falta de amor.

Este texto abaixo mostra uma realidade que todos insistem em esconder, mas que é cada vez mais clara, embora todos neguem. Se tudo é injusto no mundo de hoje, é coerente que a vida afetiva também seja injusta.

Nós todos casamos com a pessoa errada

Publicado em 29/09/2012 por Barros - Blog Deusilusão

Sobre outro tipo de desILUSÃO: minha tradução de “We all married the wrong person“.

Casais em crise frequentemente atingem o ponto em que se convencem de que não foram feitos um pro outro. Isso precede a decisão de terminar a relação e sair em busca da “pessoa certa”. Infelizmente, as chances de um casamento bem-sucedido diminuem a cada nova tentativa. Psiquiatra e autor de The Secrets of Happily Married Men [Os segredos dos homens bem casados], The Secrets of Happily Married Women [Os segredos das mulheres bem casadas], e The Secrets of Happy Families [Os segredos das famílias felizes], o doutor Scott Haltzman diz que aqueles casais estão corretos; nós todos casamos com a pessoa errada. Eu achei seus comentários em entrevistas na tevê tão intrigantes que pedi para entrevistá-lo e me aprofundar no assunto.

O doutor Haltzman diz que, mesmo que achemos que conhecemos bem uma pessoa quando casamos com ela, nós somos temporariamente cegos pelo nosso amor, o que tende a minimizar ou ignorar atributos que podem tornar a relação complicada ou completamente difícil. Adicionalmente, ambos os indivíduos trazem diferentes expectativas em relação ao casamento, e nós mudamos tanto individualmente quanto como casal ao longo do tempo. Ninguém tem uma garantia de que se casou com a pessoa certa, diz Dr. Haltzman, portanto você tem que assumir que casou com a pessoa errada. Isso não significa necessariamente que seu casamento não possa ser bem-sucedido.

“A maioria de nós perde um tempo enorme escolhendo através de possíveis parceiros na esperança de terminarmos com a pessoa certa. Algumas pessoas acreditam que isso é uma procura pela alma gêmea… o único e verdadeiro amor. Se você entra ou não num casamento acreditando que o seu par é A pessoa certa, você certamente acredita que ele ou ela é UMA pessoa certa para você”, diz Dr. Haltzman.

Ele explica que se o sucesso de um casamento fosse baseado em fazer a escolha certa, então aqueles que cuidadosamente escolhem um bom par continuariam sustentando sentimentos positivos na maior parte do tempo, e por um longo período. A teoria de que escolher bem leva ao sucesso estaria comprovada. “Mas as taxas de divórcio em si e por si mesmas dão um grande testemunho da falácia dessa teoria”, diz Dr. Haltzman. Mesmo os casais que permanecem casados não se descrevem completamente felizes um com o outro, ele acrescenta, mas, sim, bem comprometidos um com o outro.

“Se acreditamos que temos que encontrar a pessoa certa para casar, então o desenrolar do nosso casamento se torna um constante teste para ver se fomos corretos naquela escolha”, diz Dr. Haltzman, acrescentando que a cultura moderna não apoia manter promessas. Em vez disso, ele diz que nós recebemos a repetida mensagem, “Você merece o melhor”. Segundo ele, essas atitudes contribuem para a insatisfação conjugal.

Dr. Haltzman compartilhou algumas pesquisas comigo sobre os efeitos negativos na nossa sociedade de consumo, em que sempre se tem uma grande quantidade de opções — o que pode levar ao aumento de expectativas e baixa satisfação. Um livro chamado The Choice Paradox [O paradoxo da escolha], de Barry Schwartz, apresenta pesquisas que vão de encontro ao senso comum. (Farei outro post* sobre isso em breve, porque esse assunto dá muito pano pra manga.) Eu vou direto ao ponto e revelo que as pessoas são mais felizes com as escolhas que fazem quando existe pouca coisa para escolher. Com muitas opções, nós podemos ficar sobrecarregados e arrependidos, e constantemente questionando nossas decisões. Hoje, as pessoas sentem que têm muitas opções de parceiros e temem perder oportunidades com parceiros “certos” em potencial. Isso pode acontecer mesmo após a pessoa já ter se casado, quando começa a questionar a toda hora a decisão que tomou.

“Minha filosofia básica é a de que, quando escolhemos um par, temos que começar com a premissa de que não estamos escolhendo baseado em todo o conhecimento e informação sobre ele ou ela”, diz Dr. Haltzman. “Contudo, fora dos extremos cenários de violência doméstica, drogas, infidelidade — que são de longe bons argumentos para se admitir que se casou com a pessoa errada, e onde é inseguro ou insalubre continuar casado — nós precisamos dizer, “Essa é a pessoa que eu escolhi, e eu preciso encontrar um jeito de desenvolver um senso de proximidade com ela pelo que ela é, e não pelo que eu fantasiei que seria”.

Esse jeito de trabalhar a relação pode levar a uma experiência a dois mais profunda e significativa. Dr. Haltzman dá as seguintes dicas para nos ajudar a reconectar ou melhorar nossos laços:

- Respeite o seu par por suas qualidades positivas, mesmo quando ele tenha algumas importantes qualidades negativas.

- Seja a pessoa certa, em vez de ficar procurando pela pessoa certa.

- Seja uma pessoa amável, em vez de ficar esperando para ser amada.

- Seja atencioso, em vez de esperar receber atenção.

Para frisar os últimos pontos, Dr. Haltzman diz que muitas pessoas que se esforçaram para manter uma relação acabam dizendo, “Eu fiz o bastante”. Mas muito poucos de nós dizem isso de nossas próprias crianças. “Em vez disso, nós dizemos que, apesar de suas imperfeições, não iríamos querer outras no lugar delas; e, contudo, nossos filhos podem ser muito mais insuportáveis do que nossos companheiros.”

Finalmente, ele adverte, “Tenha a atitude de que essa é a pessoa com a qual você vai passar o resto da sua vida, então você precisa encontrar um jeito de fazer isso dar certo, em vez de viver procurando por uma rota de fuga”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.