terça-feira, 6 de maio de 2014

Melhor ser feliz sozinho que infeliz acompanhado

A sociedade inventou que só se pode ser feliz acompanhado. Tá, claro que por ser um ser social, o ser humano tem a necessidade de companhia e vive melhor com isso. Mas nem sempre podemos encontrar uma companhia que realmente possa nos ajudar na evolução pessoal.

Aliás, é raro, bem raro no mundo de hoje, principalmente numa sociedade falida como a brasileira, achar alguém disposto a crescer intelectualmente e moralmente junto conosco. "Aproveitar a vida", eufemismo para cair na farra, ou seja, aproveitar inutilmente a vida com tolices que não acrescentam nada e em alguns casos podem gerar danos, virou a meta de quase todas as pessoas. Ser feliz virou sinônimo de se entregar aos excessos da irresponsabilidade.

Como querer viver acompanhado com alguém que só quer emoções baratas? Como esperar afeto de alguém insensível e incompreensível? Como conversar com alguém que só está interessado nos assuntos da moda? Como se divertir com alguém que só se interessa por naquelas inúteis tradições sociais que só servem para agradar aos outros?

Não faço planos para a minha vida afetiva. Melhor nem fazer. A vida matrimonial se tornou uma utopia. E não pensem que é pessimismo, não. É um fato. Para que uma mulher possa ser digna de ser uma companheira para mim, teria que abrir mão de muitos valores que a sociedade acredita durante décadas e que para esta mesma sociedade é a sua razão de ser. 

Como não posso poribir ninguém de largar sua viciante tradição, melhor me entregar à solidão, essa grande amiga que nunca exigiu o que eu não pudessa dar, nunca me traiu e ainda me dá a oportunidade de refletir sobre a vida e curtir os verdadeiros e simples prazes na vida. Até porque o verdadeiro prazer está nas coisas mais simples. Não na ilusória bebedeira de todo o final de semana.

Dizem os sábios que é melhor estar sozinho do que mal acompanhaso. É verdade. A solidão pode até incomodar as vezes. Mas repararam que ela não gera muitos danos?

Claro que eu gostaria de encontrar a minha companheira. Mas numa sociedade com a brasilaira, isso é uma ilusão. As mulheres, no Brasil, são muito submissas a opinião alheia, escravas da mídia e devotas das regras sociais. Para elas a opinião de uma multidão é muito mais importante que a do companheiro que ela diz amar. Isso é verdade e pode ser provado.

Vou continuando na minha vida solitária, feliz, tendo o controle absoluto da minha realidade, sem a interferência de uma Maria-vai-com-as-outras para dizer o que deve ser feito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.